COMPRE AGORA

quarta-feira, outubro 22, 2014

O volante do Porsche 919 Hybrid – um centro de controle multifuncional


Stuttgart. Determinar a direção do carro é a tarefa mais trivial do volante do Porsche 919 Hybrid. Os pilotos dos protótipos Classe 1 de Le Mans no Campeonato Mundial de Endurance da FIA têm um computador em suas mãos. Eles operam 24 botões e alavancas na frente, bem como seis alavancas na parte de trás, a fim de controlar o carro de corrida mais complexo já construído pela Porsche. 

Embora ele seja chamado de volante, seu formato não é redondo e sim um retângulo achatado. Esse formato é usado devido ao espaço exigido durante as trocas de piloto. Caso contrário, pilotos altos como Mark Webber ou Brendon Hartley, em particular, teriam dificuldade em acomodar suas pernas compridas rapidamente. Há um mostrador grande no centro, que mostra diversas informações ao piloto. Isso inclui a velocidade, qual marcha está engatada, a gestão de motor selecionada no momento e a situação de carga da bateria de íon de lítio, ou seja, qual a quantidade de energia elétrica disponível para ser aplicada ao eixo dianteiro. O motor elétrico no eixo dianteiro complementa o motor a combustão com turbocompressor de dois litros e quatro cilindros, que aciona as rodas traseiras. O botão de controle no canto superior esquerdo é usado para selecionar as informações mostradas, enquanto os pilotos utilizam o botão de controle na alça direita para diminuir o brilho do mostrados à noite. O botão de controle idêntico na alça esquerda é usado para controlar o volume do rádio do pit-stop e o quarto controle giratório no canto superior direito varia o tempo de intervalo do limpador de para-brisa.

Os botões e alavancas no volante foram posicionados cuidadosamente com a ajuda dos pilotos, para facilitar uma operação confiável em ritmo de corrida. Os botões usados mais frequentemente estão posicionados ao longo da borda externa superior, para que eles possam ser facilmente alcançados com o polegar. O botão azul na parte superior direita, que está quase sempre sendo usado, aciona a luz alta, usada pelos protótipos velozes para avisar sua presença aos veículos mais lentos na pista do WEC, antes de serem ultrapassados. Quando pressionado uma vez, ele faz com que o farol de luz alta pisque três vezes. Durante o dia, os pilotos mantêm seus polegares sobre ele quase que permanentemente, uma vez que, naturalmente, o sinal com o farol é mais difícil de ser percebido durante esse horário. 

O botão vermelho no canto superior esquerdo também é muito frequentado. Ele é usado para buscar energia elétrica da bateria, o chamado "boost" (reforço). Os pilotos podem usar o boost para ultrapassarem, mas precisam ser inteligentes quanto a fazer o racionamento da energia. A quantidade de energia por volta é especificada. A medida de referência é uma volta em Le Mans, onde há seis megajoules disponíveis. As quantidades são adequadamente convertidas em circuitos mais curtos. A quantidade de energia que um piloto usa no meio de uma volta para livrar-se do tráfego não estará disponível na reta no final da volta. 

Um pouco mais para dentro no lado esquerdo e direito se encontram alavancas com sinal positivo e negativo para ajustar o controle de tração dianteiro e traseiro e para distribuir o equilíbrio de frenagem entre o eixo dianteiro e o traseiro. Estes botões (amarelo, azul e cor-de-rosa) não são utilizados com tanta frequência. 

Os botões alaranjados, situados um pouco mais embaixo, operam o sistema de hidratação (à esquerda) e colocam a transmissão na posição neutra (à direita). O botão vermelho na parte inferior esquerda aciona o enxágue do para-brisa, e o vermelho à direita aciona o piloto automático para restringir a velocidade no trecho do pit-stop.

Na parte superior central se encontram botões verdes para comunicação por rádio (à esquerda), bem como o botão de OK à direita. Os pilotos usam este último botão para confirmar que eles realizaram a mudança de configuração, que foi pedida a eles pelo rádio do pit. Eles precisam usar botões giratórios para estas configurações, e geralmente o fazem apenas nas retas, uma vez que eles precisam tirar uma das mãos dos volantes para tanto. 

Os dois botões giratórios chamados de 'Multi' se correspondem entre si. O esquerdo é usado para configurações com letras e o esquerdo se baseia em números. Os programas para gestão do motor ou gestão do combustível são designados por combinações como, por exemplo, A2 ou B3. Há mais três botões giratórios à disposição para selecionar o equilíbrio de frenagem, ajustar o controle de tração para condições de pista seca ou molhada e para a estratégia híbrida. 

Para fazer com que os botões possam ser reconhecidos mais facilmente no escuro, suas cores são fluorescentes e respondem a uma lâmpada de luz negra, que está situada acima do capacete do piloto. 

O volante é feito de carbono e as alças estão revestidas com borracha antiderrapante. Graças à direção hidráulica, os pilotos podem manobrar sem nenhuma dificuldade, mesmo com as alças relativamente estreitas. Ao posicionarem a mão através das alças, os dedos dos pilotos tocam seis alavancas na parte de trás do volante. As alavancas centrais são usadas para trocar de marcha: acionar a alavanca direita engrena marchas mais altas e acionar a alavanca esquerda engrena marchas mais baixas. As alavancas na posição mais inferior operam a engrenagem e funcionam de maneira idêntica em ambos os lados. Dependendo se o piloto acabou de entrar em uma curva para a direita ou para a esquerda, ele pode decidir qual lado é mais fácil de ser acionado. A alavanca na parte superior esquerda aciona o boost; é apenas uma questão de preferência se o piloto deseja usar esta alavanca ou o botão descrito na parte dianteira. Os pilotos utilizam a alavanca na parte superior direita para iniciar a recuperação de energia manual. Ele dá uma sensação de que o freio de mão está ligeiramente engatado e alimenta o reservatório da bateria com energia elétrica obtida pela energia cinética.

Fonte: Porsche Latin America, Inc.

Nenhum comentário:

VÍDEOS

Loading...